Topo

Ford tem discussões abertas com outras montadoras para venda de fábrica na Bahia, diz governador

SÃO PAULO (Reuters) - A Ford tem discussões em andamento com outras montadoras globais de veículos para a venda de seu complexo fabril em Camaçari (BA), afirmou nesta terça-feira o governador baiano, Rui Costa, após reunião de grupo de trabalho criado para minimizar os efeitos da decisão da companhia norte-americana de parar de produzir no país.

“Eles verbalizaram que já têm diálogos abertos com outras montadoras globais, mas que teriam assinado protocolo de sigilo”, disse Costa a jornalistas após a reunião, que contou com representantes sindicais e da federação industrial da Bahia. O Estado abriga a maior fábrica da Ford na América do Sul.

Costa não deu detalhes sobre os eventuais interessados na fábrica da Ford em Camaçari, que até atualmente produz os modelos EcoSport e Ka. Procurada, a Ford afirmou que não comenta especulações.

O governador, porém, disse que o governo estadual contatou as embaixadas da China, Japão e Coreia do Sul para tentar obter apoio para encontrar interessados em assumir o complexo fabril.

Na véspera, a companhia informou em comunicado à imprensa que “vai continuar a facilitar alternativas razoáveis para as partes interessadas assumirem as fábricas”.

Na entrevista, o governador da Bahia negou afirmações do presidente Jair Bolsonaro, que afirmou nesta terça-feira que a Ford queria subsídios para manter suas operações no país.

“Para o governo do Estado, a Ford não solicitou nenhum novo incentivo e não acho que o que levou à decisão de fechamento tenha sido ausência de incentivos”, disse o governador da Bahia. Segundo ele, o que levou a Ford a optar pelo encerramento da produção no Brasil até o final deste ano foi “ausência de uma política industrial nos últimos seis anos”, acrescentou.

“Estamos falando de uma situação macroeconômica que torna inviável a produção industrial no Brasil não só para a Ford, mas para vários segmentos industriais”, disse Costa, referindo-se à queda do real ante o dólar, que torna difícil a importação de insumos usados na produção.

Mais cedo, o JPMorgan divulgou relatório em que afirma que a Ford amargou prejuízo de 300 milhões de dólares em 2019 nas operações na América do Sul e que com a decisão de encerrar a produção no Brasil a empresa deve atingir o equilíbrio financeiro na região em 2020.

A Ford afirma que emprega em Camaçari 4.059 funcionários, mas representantes sindicais e o governador citaram números maiores, chegando a mais de 10 mil funcionários incluindo os trabalhadores das cinco empresas fornecedoras da montadora que estão no complexo fabril.

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Camaçari, Júlio Bonfim, presente na reunião, afirmou que na próxima segunda-feira os trabalhadores vão se reunir com a empresa para negociarem as compensações das demissões.

Segundo ele, a categoria tinha negociação para que a fábrica recebesse três novos produtos nos próximos anos o que garantiria estabilidade de emprego até março de 2024. “Vamos juridicamente ver o que podermos construir de valor agregado indenizatório”, disse Bonfim, lembrando que no caso do fechamento da fábrica da Ford em São Bernardo do Campo, em 2019, foi acertado o valor de 2 salários por ano trabalhado, limitado a um teto de 500 mil reais.

Na véspera, a Ford afirmou que vai assumir encargo de 4,1 bilhões de dólares com o fechamento das fábricas no país, mas não especificou o valor relacionado às demissões.

Costa afirmou que apenas em salários, a Ford em Camaçari movimentava 500 milhões de reais por mês na região metropolitana de Salvador e que em 2018 o Estado arrecadou 200 milhões de reais com a fábrica, mas os valores foram caindo para 150 milhões em 2019 e cerca de 100 milhões em 2020, em meio à queda nos volumes vendidos.

Segundo o governo baiano, o Estado concedeu à Ford 948 milhões de reais em benefícios fiscais entre 2018 e 2020, enquanto o investimento da companhia em Camaçari entre 2015 e 2019 foi de 2,5 bilhões de reais.

FINANCIAMENTOS DO BNDES

Procurado, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) afirmou que a Ford tem dois contratos de financiamento direto com a instituição de fomento, no valor total de 335 milhões de reais, contratados em 2014 e 2017.

Os contratos têm cláusulas envolvendo manutenção do emprego durante a implementação dos projetos alvo dos financiamentos, “ que já ocorreu”. Estes empréstimos já passaram da metade do prazo total, estando com pagamentos em dia, afirmou o banco.

“O banco aguarda as respostas (da Ford) para avaliar os impactos da decisão da companhia sobre os financiamentos diretos ainda em curso”, afirmou o BNDES em comunicado, acrescentando que pediu à montadora esclarecimentos sobre o fechamento das fábricas no país.

Por Alberto Alerigi Jr.; Edição de Maria Pia Palermo

Tags:

FENECON - Federação Nacional dos Economistas  
Rua Marechal Deodoro, nº 503, sala 505 - Curitiba - PR  |  Cep : 80.020-320
Telefone: (41) 3014 6031 e (41) 3019- 5539 | atendimento: de 13 às 18 horas | trevisan07@gmail.com e sindecon.pr@sindecon-pr.com.br