Topo

Empresas alemãs já contam com ampliação das restrições impostas pela pandemia

Pesquisa revela que empresários alemães já antecipam, em média, 8,5 meses a mais de limitações geradas pelo coronavírus, enquanto a maior economia da Europa ainda tenta se recuperar dos prejuízos causados pelo lockdown.

Empresas alemãs se preparam para ampliação das restrições impostas pela pandemia de covid-19

Empresas alemãs se preparam para ampliação das restrições impostas pela pandemia de covid-19

Uma pesquisa realizada pelo instituto alemão de pesquisas econômicas Ifo divulgada nesta segunda-feira (10/08) revela as ansiedades dos empresários alemães, que se preparam para uma possível ampliação das restrições impostas pela pandemia de covid-19 por mais 8,5 meses, em média.

As limitações, como as que ocorreram nos meses em que o país esteve em confinamento obrigatório e com a suspensão de várias atividades econômicas, geram enormes prejuízos e ameaças à sobrevivência das empresas, assim como um aumento na procura dos auxílios oferecidos pelo governo.

As empresas do setor de entretenimento, que sofreram fortes abalos durante a crise gerada pelo coronavírus, são as mais pessimistas. A expectativa dos empresários é que as limitações sejam ampliadas por até 13 meses. Já no setor de artes, cultura e gastronomia, a previsão é de 11 meses.

Os mais otimistas são os produtores de bebidas, que esperam apenas 6,4 meses de restrições em suas atividades. Já o setor de serviços se prepara para um período de 8,9 meses. Profissionais da educação e funcionários de creches contam com mais 10 meses de limitações em suas atividades.

O setor hoteleiro antecipa 9,3 meses de restrições, enquanto os serviços postais esperam, em média, 6,6 meses de atividades restringidas. No comércio, a expectativa é de 8,6 meses e, na construção civil, 8,2 meses. O setor industrial, um dos maiores motores da economia alemã, se prepara para 7,8 meses de limitações.

A indústria de manufatura e de produtos de couro, por sua vez, já conta com 11,2 meses de restrições no futuro próximo, enquanto na manufatura têxtil a expectativa é de mais 9 meses. Empresas de produtos químicos esperam 8,2 meses a mais de limitações e as de engenharia mecânica, 7,9 meses.

O Ifo pesquisou em torno de 8,5 mil empresas, das quais, dois terços entraram com pedidos de auxílio junto ao governo durante a pandemia. As três formas de ajuda mais recorrentes foram os benefícios ao trabalho em jornada reduzida, o auxílio de emergência oferecido pelo governo e as isenções tributárias. Segundo o levantamento, 40% das companhias relataram perdas de ao menos 30% nos rendimentos.

Tags:

FENECON - Federação Nacional dos Economistas  
Rua Marechal Deodoro, nº 503, sala 505 - Curitiba - PR  |  Cep : 80.020-320
Telefone: (41) 3014 6031 e (41) 3019- 5539 | atendimento: de 13 às 18 horas | trevisan07@gmail.com e sindecon.pr@sindecon-pr.com.br