Topo

Estado alemão da Baviera cancela mercados de Natal

O governo do estado da Baviera, no sul da Alemanha, anunciou nesta sexta-feira (19/11) o cancelamento de todas as feiras de Natal e a imposição de lockdowns nas regiões do estado com taxas elevadas de novos casos de coronavírus.

A medida valerá para os distritos que registram taxa de incidência de sete dias superior a mil por 100 mil habitantes. Nesses lugares, bares, clubes e restaurantes, assim como locais culturais e esportivos estarão fechados, informou o governador bávaro, Markus Söder, após uma reunião de seu gabinete em Munique.

As escolas e jardins de infância permanecem abertos nessas áreas, e o comércio varejista só poderá permitir um cliente por 20 metros quadrados de espaço do estabelecimento. Além disso, lares de idosos deverão cobrar teste obrigatório para visitantes.

Atualmente, oito distritos na Baviera têm taxas de incidência de mais de mil. Os legisladores estaduais devem aprovar as novas medidas na terça-feira, e elas devem vigorar até 15 de dezembro.

A Baviera é um dos estados alemães mais afetados pela quarta onda da pandemia no país, com taxa de incidência de 625 por 100 mil habitantes em sete dias, frente aos 340,7 da média alemã.

Lockdown para não vacinados

Söder disse que haverá um "lockdown de fato" para pessoas não vacinadas com a implementação da chamada regra "2G" em todo o estado – referindo-se à abreviação na Alemanha para uma regra que permite liberdades como acesso a restaurantes e hotéis apenas para aqueles que são vacinados ou recuperados da covid-19.

De acordo com as novas regras, os não vacinados perderão acesso até mesmo a locais como cabeleireiros, universidades ou centros de educação de adultos.

Haverá também restrições de contato, segundo o governador. Söder afirmou que os não vacinados poderão se reunir com no máximo cinco pessoas de duas famílias.

Mesmo em áreas com taxas de incidência inferiores a mil haverá restrições. Para eventos esportivos e culturais, o número de espectadores será limitado a 25% da capacidade total do local. Além disso, a regra "2G+" será aplicada – o que significa que mesmo as pessoas vacinadas e recuperadas serão obrigadas a apresentar adicionalmente um teste negativo para o coronavírus.

Momento delicado da pandemia

O país vive o pior momento da pandemia devido à variante delta e à insuficiente taxa de vacinação, com 67,9% da população cumprindo o ciclo vacinal completo, um dos mais baixos da Europa Ocidental.

A chanceler federal alemã, Angela Merkel, e governadores alemães acertaram nesta quinta-feira uma série de medidas destinadas a aumentar a pressão sobre os não vacinados.

Os líderes regionais também pediram ao governo federal que elabore um projeto de lei para introduzir a vacinação obrigatória para profissionais de setores "sensíveis", como trabalhadores do setor da saúde.

Por sua vez, a câmara alta do Parlamento alemão, o Bundesrat, deu luz verde nesta sexta-feira ao novo pacote contra a pandemia elaborado pela provável futura coalizão governamental.

A lei inclui medidas como a obrigatoriedade de apresentação do certificado de vacinação ou teste negativo no trabalho e em transportes públicos, assim como a recomendação expressa para a prática de home office, sempre que possível.

md/ek (EPD, AFP, DPA, Efe)

Tags:

FENECON - Federação Nacional dos Economistas  
Rua Marechal Deodoro, nº 503, sala 505 - Curitiba - PR  |  Cep : 80.020-320
Telefone: (41) 3014 6031 e (41) 3019- 5539 | atendimento: de 13 às 18 horas | trevisan07@gmail.com e sindecon.pr@sindecon-pr.com.br