Topo

Inflação da Alemanha em 2021 foi a maior em quase 30 anos

Dados do Departamento Federal de Estatística indicam que mês de dezembro impulsionou o aumento. Maiores taxas couberam a energia (mais de 18%) e alimentos (6%). Previsão para 2022 é de alta superior a 3%.

Os preços finais para o consumidor alemão continuaram a subir no fim de 2021, principalmente devido às altas da taxa de inflação registradas em novembro (5,2%) e dezembro (5,3%). Com isso, a média anual de inflação ficou em 3,1%, o índice mais alto desde 1993, conforme informações divulgadas nesta quinta-feira (06/01) pelo Departamento Federal de Estatística, em Wiesbaden.

Um dos bens de consumo que mais ajudou a elevar a inflação na Alemanha foi a energia, que em dezembro aumentou 18,3%. Os preços dos alimentos subiram 6% nesse mês em relação ao mesmo período de 2020; os do setor de serviços, 3,1%; e os aluguéis, 1,4%. Os resultados detalhados das estatísticas inflacionárias alemãs de 2021 serão publicadas pelo Departamento Federal de Estatística em 19 de janeiro.

Outro motivo que levou ao aumento dos preços ao consumidor foi o fim da redução temporária no imposto sobre valor agregado (IVA). No contexto de um pacote de estímulo econômico na pandemia de covid-19, de 1º de julho a 31 de dezembro de 2020 a tributação foi baixada de 19% e 7% para 16% e 5%, respectivamente.

A escassez de material e os gargalos de abastecimento, devido aos problemas de logística, igualmente ligados à pandemia, também atingiram os preços. Em 2020, ano em que a covid-19 chegou à Europa, a inflação tinha índices bem mais baixos, de apenas 0,5% na Alemanha.

Além da pandemia, a chamada taxa de carbono também impulsionou a inflação na Alemanha. Em janeiro de 2021, o país introduziu o pagamento de 25 euros por tonelada emitida de gases de efeito estufa. Neste começo de 2022, a taxa de CO2 subiu para 30 euros por tonelada emitida.

Taxa deve demorar para voltar a cair

Segundo economistas, pode ser necessário um bom tempo até a inflação voltar a cair na Alemanha: quanto, eles não sabem precisar. Em 2022, a taxa deve permanecer acima dos 3%. Em toda a zona do euro, o Banco Central Europeu segue lutando por uma taxa de inflação anual de no máximo 2%.

Ainda que o efeito do IVA não seja mais levado em consideração, pesquisadores dos institutos de economia mundial Ifo e Kiel apontam que os problemas de abastecimento e logística causados pela pandemia devem continuar, elevando os custos de fabricação.

gb (AFP.DPA,ots)

Tags:

FENECON - Federação Nacional dos Economistas  
Rua Marechal Deodoro, nº 503, sala 505 - Curitiba - PR  |  Cep : 80.020-320
Telefone: (41) 3014 6031 e (41) 3019- 5539 | atendimento: de 13 às 18 horas | trevisan07@gmail.com e sindecon.pr@sindecon-pr.com.br