Topo

China reage a novas tarifas impostas pelos Estados Unidos

A perspectiva de uma guerra comercial entre os Estados Unidos e China voltou a assustar os mercados internacionais nesta quarta-feira (04/04). Num intervalo de poucas horas, Washington e Pequim anunciaram novos aumentos nas tarifas de importação que deverão gerar prejuízos bilionários de ambos os lados.

Nesta terça-feira, o governo americano anunciou um imposto adicional de 25% sobre produtos importados chineses no valor de 50 bilhões de dólares. Horas mais tarde, o Ministério chinês do Comércio reagiu na mesma moeda, criando novas tarifas sobre produtos americanos, também de 25% e no valor de 50 bilhões de dólares.

Leia também: Trump começou mesmo uma guerra comercial com a China?

Os itens afetados pela medida chinesa incluem automóveis, soja, produtos químicos, derivados de milho e aeronáuticos. Tarifas adicionais também serão acrescentadas sobre produtos como tabaco, whisky, alguns tipos de carnes, lubrificantes, propano e outros produtos plásticos e afetarão também as importações de sucos de laranja, algodão, certos tipos de trigo, caminhões, veículos SUV e alguns modelos elétricos.

Washington, por sua vez, divulgou uma lista com 1,3 mil produtos chineses que deverão ser submetidos ao novo aumento tarifário, incluindo produtos de automação industrial e equipamentos de telecomunicações. A medida seria uma retaliação à exigência imposta por Pequim a empresas estrangeiras, que devem entregar ao país suas tecnologias.

O governo americano entende que a China adotou essa tática como parte de seus esforços para se tornar uma das maiores potências tecnológicas mundiais. A medida imposta por Pequim obriga essas companhias a licenciar suas tecnologias na China em termos considerados desfavoráveis.

Na segunda-feira, a China havia imposto novas tarifas sobre as importações americanas no valor de 3 bilhões de dólares, como reação às sobretaxas estabelecidas pelo governo americano sobre produtos de aço e alumínio. Tais medidas chinesas afetam um conjunto de 128 produtos, entre eles frutas, frutas secas e vinho, que terão tarifa de 15%, enquanto produtos suínos e afins receberão aumento de 25%.

Antes do anúncio desta quarta-feira, o Ministério chinês do Comércio havia dito que "condena com veemência e se opõe com firmeza" às tarifas americanas e alertou que preparava "medidas semelhantes sobre produtos americanos na mesma escala". 

As novas tarifas anunciadas pelos EUA serão submetidas a um processo consultivo que inclui audiências marcadas para o dia 15 de maio. Grupos lobistas de empresas e consumidores terão a oportunidade de trabalhar para que alguns desses produtos sejam removidos da lista ou para que outros sejam acrescentados a ela.

A data em que as medidas adotadas por Pequim entrarão em efeito vai depender de quando o mesmo ocorrerá com as novas tarifas impostas por Washington.

 

Tags:

FENECON - Federação Nacional dos Economistas  
SCS Ed. Anhanguera, Quadra 02 - Conj 717 / 718 - Brasília - DF  |  Cep : 70.315-900
Telefone: (61) 3225-0690 Telefax: (61) 3224-7381 | atendimento: de 13 às 19 horas | fenecon@fenecon.org.br